A Democracia dos Intransigentes

Parte da inconformação com o governo Bolsonaro, que se manifesta desde antes de sua eleição —lembram-se da campanha #elenao?—  deve-se a um senso de frustração compartilhado por uma quantidade significativa de indivíduos que estão convencidos de que sua visão de mundo é superior a todas as outras e de que ela havia sido definitivamente implantada no país. A derrota dessa visão nas urnas deixou-os com a sensação de que algo lhes foi roubado, pouco importando que a maioria tenha preferido seguir outro caminho.

Esse comportamento intransigente e infantilizado é fruto de longo processo de preparação cultural, que foi executado de forma lenta e quase imperceptível, por não se basear em grandes ações visíveis, mas em infinitas pequenas ações de militantes e simpatizantes, normalmente agindo sem visão do processo inteiro.

Photo by Andrea Piacquadio on Pexels.com

O condicionamento psicológico abrangente que resultou desse processo derivou não apenas do proselitismo progressista nas escolas e das limitações impostas ao discurso público pela “correção política” e outros meios, mas também da criação de todo um edifício cultural que permeia a imaginação nacional, exercendo influência até sobre indivíduos de pensamento conservador. Muitos absorveram tão profundamente o conteúdo dessa visão de mundo que se tornaram convencidos de que os limites da democracia se confundem com o circuito fechado de sua própria ideologia. 

A intransigência auto-congratulatória com que esses indivíduos alegam defender a democracia demonstra o sucesso da estratégia de aculturação que os preparou psicologicamente para entender como natural a hegemonia da esquerda. A própria permanência da esquerda no poder por largo período reforçou a crença em sua continuidade como sendo o próprio desenvolvimento civilizacional. Assim, a predominância política, mesmo que provisória, de um grupo com visão conservadora da sociedade é interpretada por esses indivíduos não como alternância democrática de poder, mas como rompimento da ordem natural e necessária da história.

Em suma, a ação cultural do campo progressista nas últimas décadas instilou um senso de entitlement nos que estão a seu lado enquanto debilitou a determinação de seus opositores. Esse fenômeno alcança principalmente, embora não exclusivamente, a massa ativa ou passivamente engajada — militantes e fellow travelers —, mas muitos dos que não simpatizam com o ideário progressista também estão submetidos a essa concepção de sua inevitabilidade.

Além disso, as lideranças progressistas sempre tiveram Bolsonaro como inaceitável por estimar que com ele não seria possível encontrar acomodação, o que se verificou no decorrer dos eventos.

Inscreva-se em minha newsletter:

Receba artigos selecionados sobre política, cultura e sociedade.

Assinatura recebida!

Verifique seu e-mail e confirme a assinatura do boletim informativo.

Autor: Cesar Nascimento

Cesar Nascimento é diplomata. Instagram/Twitter/Telegram/LinkedIn/Revue: cesarapenas

2 pensamentos

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s